OS 7 DETALHES QUE PROVAM QUE O BATMAN DOS ANOS 60 É O MELHOR DE TODOS!

A série dos anos 60 mostrou um lado de Batman que nunca mais se voltou a ver nas versões seguintes: um herói meio pateta e repleto de erros, com um toque engraçado e cores muito vivas.

Confira a seguir os 7 detalhes que tornam o Batman dos anos 60 inesquecível:


Abertura e encerramento dos episódios

Ver um episódio de Batman desta época é uma aventura bem diferente do que as gerações mais novas estão acostumadas. Quantas séries atuais que, além de utilizar o recurso cliffhanger, que termina o episódio no ápice da trama para fazer o espectador assistir a sequência, trazem um narrador que diga que te espera no dia seguinte, na mesma bat hora e no mesmo bat canal?

Vilões

Uma das coisas mais curiosas da série é como os personagens dos quadrinhos foram criadas para as telinhas, em especial os vilões. A mulher-gato (Julie Newmar) não tinha aparecido nos volumes há 10 anos e o Charada (Frank Gorshin) também era bem esporádico.

Produção 100% ‘trash’

Em sua época, a série foi muito cara, mas também muito premiada. Algo que não teria o mesmo efeito se fosse hoje, com os sets superbaratos que foram usados e com coisas como a maquiagem branca de Cesar Romero, que cobria pessimamente o bigode do ator (que não quis se barbear para o papel).


Armadilhas geniais

Ainda que fosse de terceira, não se pode negar que a produção trazia a cada semana armadilhas cada vez mais bem feitas, criativas, extravagantes, dignas de James Bond. Nada faz mais sucesso que uma máquina que faz furos de papel para esmagar Batman e Robin.

Pow! Puff!

Tirando os personagens que foram revitalizados dos quadrinhos, a série realmente queria se assemelhar aos comics. É por isso a existência do narrador, as onomatopeias coloridas (Pow! Puff!), as cores vibrantes, as tramas ridículas e o vestuário único.

A interpretação e dedicação dos atores

Considerando que nenhum dos atores era realmente fanático pelos quadrinhos e que a maioria só participava da série porque tinha contrato com o canal ou com o estúdio, todos estava comprometidíssimos com o papel que interpretavam, ainda mais quando tinham que fazer cenas como esta.


A Batgirl

Linda sexy e poderosa, a morceguinha tinha até uma música tema só dela!

O Menino Prodígio

A fama homossexual do morgego deve ter se originado de cenas inesquecíveis como essa… Só pode!

Sensação do momento

O que torna a série realmente memorável é justamente ela ter sido feita nos anos 60. Uma época em que filmes como “O Agente da U.N.C.L.E.” traziam protagonistas dançando com gorilas, macacos mágicos que queriam conquistar o mundo pela TV, e tal. Eram tempos estranhos…

01/07/2017

Comentários